80 anos: Iphan e Museu Nacional de Belas Artes celebram juntos oito décadas de criação

Cerimônia de lançamento do livro Criados em 13 de janeiro de 1937, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), celebraram juntos a data em lançamento do livro Alegoria às Artes - Léon Pallière, nesta sexta-feira, 13 de janeiro, no Rio de Janeiro (RJ). A obra, de múltipla autoria, retrata o processo de restauração e a pesquisa histórica da monumental tela “Alegoria às Artes”, restaurada pelo PAC Cidades Históricas, dirigido pelo Iphan, e atualmente em exposição no MNBA.

A presidente Kátia Bogéa destacou a parceria de longa data entre o Iphan e Museu, que esteve integrado à estrutura do Iphan até 2009, quando foi incorporado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). 

“Se cruzarmos as histórias das duas instituições, veremos que o princípio de preservar e resgatar a beleza histórica de tantos bens, pensando nas gerações atuais e futuras, nos brasileiros e estrangeiros, em permitir que o acesso à cultura não seja limitado a uma determinada época e público, é um ponto que sempre tivemos em comum. O Iphan e o Museu trabalharam juntos em diversas ações, como em seu tombamento em 1973, a restauração de suas instalações e, por último, a restauração da tela Alegoria às Artes, de Jean Léon Pallière, que envolveu também o Instituto Brasileiro de Museus e o Consulado Geral da França no Rio de Janeiro. É um orgulho para o Iphan ter como parceiro o Museu de Belas Artes. Esperamos que nossa parceria se perpetue e que nos próximos aniversários tenhamos ainda mais motivos para celebrar”, afirmou Kátia.

A restauração completa da obra prima de Jean Leon Pallière intitulada Alegoria às Artes, datada de 1855, conta com dimensões de 3,5m x 4,15m, e recebeu investimento de R$ 578 mil do PAC Cidades Históricas. Os técnicos mapearam as áreas danificadas, como rasgos, perda de pintura, entre outras atividades. Todo o processo iniciado em 2014 resultou no livro lançado no MNBA. 

A cerimônia contou também com a presença do presidente do Ibram, Marcelo Mattos Araújo, da diretora do Museu, Mônica Xexéo, do diretor do PAC Cidades Históricas, Robson de Almeida, entre outras autoridades. Outros dois trabalhos de Pallière – Retrato do pintor italiano Jacopo ou Giacomo Robusti, dito Tintoretto e Retrato do pintor flamengo Peter Paul Rubens também foram restaurados por meio do PAC Cidades Históricas e estão disponíveis para visitação até 12 de março deste ano no MNBA.

Capa do livro O livro
A pesquisa histórica do livro, que começou a ser elaborado em paralelo ao restauro da tela,  iniciado em 2014, foi desenvolvida pelos pesquisadores Pedro Xexéo e Adriana Clen.  Entre outras descobertas,  a dupla confirmou que a tela não foi pintada na Itália e sim sob a supervisão do então diretor da Academia Imperial de Belas Artes,  o critico de arte e artista plástico Araujo Porto Alegre, aqui no Rio de Janeiro.

Outro levantamento dos pesquisadores concluiu que provavelmente a tela foi deslocada no 1º semestre de 1909 para o prédio da Escola Nacional de Belas Artes,  que atualmente abriga o Museu Nacional de Belas Artes. 

Um capítulo importante da publicação,  de autoria da restauradora Larissa Long,  aborda a história da criação do laboratório da restauração do MNBA,  no tempo da diretora Maria Elisa Carazzoni, no inicio dos anos 1970.

Para o museólogo Pedro Xexéo,  esta obra e mais os retratos que foram feitos por Leon Pallière representam as únicas obras sobreviventes que decoravam o prédio da AIBA, e representam “um importante testemunho desta época do século XIX,  de grande relevância para a formação da cultura brasileira”.

O livro “Alegoria às Artes –  Leon Pallière”,  foi escrito por Pedro Xexéo,  Adriana Clen,  Wallace e Denise Guiglemeti, Guadalupe Campos, Antonieta Middea, Fernando Vasques e Larissa Long.  A publicação da Contra-capa editora e possui 218 páginas.

Jean Leon Pallière Grandjean Ferreira
Nascido no Rio de Janeiro em 1823, o litógrafo, aquarelista, decorador e professor era filho do pintor Arnaud Julien Pallière (1784 - 1862) e neto do arquiteto Grandjean de Montigny (1776 - 1850). 

Mudou-se para Paris em 1830, retornando ao Brasil em 1848 passando a estudar na Academia Imperial de Belas Artes (Aiba). Com nova estadia na Europa e de volta ao continente americano em 1855, Pallière realiza a série Alegoria das Artes Plásticas para o teto da biblioteca da Aiba, no Rio de Janeiro. Na década de 1860, percorre o litoral brasileiro publicando em 1864 o Album Pallière. Escenas Americanas. Reducción de Cuadros, Aquarelles y Bosquejos, composto de cerca de 50 litografias de trabalhos realizados em suas viagens. 

PAC Cidades Históricas
O programa é um avanço nas políticas culturais no Brasil, atuando em 44 cidades, de 20 estados da federação, com a disponibilização de R$ 1,6 bilhões para obras públicas. O PAC Cidades Históricas vai além da recuperação de monumentos, utilizando a preservação do patrimônio como eixo indutor para geração de renda, agregação social e afirmação da identidade cultural.

 

Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan

comunicacao@iphan.gov.br
Fernanda Pereira – fernanda.pereira@iphan.gov.br 
Ananda Rope – ananda.figueiredo@iphan.gov.br 
(61) 2024-5512- 2024-5504 - 2024-5511
(61) 99381-7543
www.iphan.gov.br 
www.facebook.com/IphanGovBr | www.twitter.com/IphanGovBr 
www.youtube.com/IphanGovBr | www.instagram.com/IphanGovBr     

Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin