retornar

Igreja do Rosário e São Benedito (Rio de Janeiro, RJ)


Outros Nomes:Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos


Descrição:A antiga Igreja de São Sebastião no Morro do Castelo já abrigava em suas dependências, as confrarias de Nossa Senhora do Rosário e de São Benedito, quando ocorreu a unificação das duas instituições em 1667 que passou a se denominar Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos. Em 1684, a Igreja de São Sebastião foi designada Catedral da cidade, tal resolução provocou desavenças entre o Cabido e a Irmandade que resolveu abandonar as dependências daquele templo, ainda que não possuíssem uma Igreja para abrigá-los. Em 1708, graças à doação feita por Francisca Pontes, a Irmandade ganhou um terreno, situado à Rua da Vala, atual Rua Uruguaiana para se instalar. Teve início a construção da Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito. Em 1737, suas obras já estavam praticamente concluídas e desde o ano anterior, ofícios religiosos ali se realizavam. No período de 1737 até 1808 a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, sediou a Catedral, para ali transferida em virtude da ruína da Igreja de São Sebastião, do Castelo. No período em que foi utilizada como Catedral, aí foi batizado o Padre José Maurício. As dependências do consistório da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito foram utilizadas em períodos destacados de nossa História, ali foram realizadas diversas Seções do Senado da Câmara às vésperas da Independência, ai também foi redigida a representação popular que culminou no "Dia do Fico". No período de 1830 a 1861 o consistório da Irmandade foi utilizado para as reuniões ordinárias da Imperial Academia de Medicina. No templo repousam os restos mortais do Mestre Valentim. A igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito conserva nos dias atuais a portada setecentista de lioz, mas o seu interior, antes guarnecido com decoração barroca, foi totalmente destruído num incêndio em 1967, foi reconstruída e reaberta ao público em 1969, depois de um período de obras projetadas pelos arquitetos Lúcio Costa e Sérgio Porto, preservando-se ao máximo os espaços internos, já que todos os elementos decorativos se perderam.



Endereço: Rua Uruguaiana, 77, Centro - Rio de Janeiro - RJ

Livro Histórico
Inscrição:010 Data:7-4-1938
     
Livro de Belas Artes
Inscrição:024 Data:7-4-1938
     
 

Nº Processo:0018-T-38


Observações:O tombamento inclui todo o seu acervo, de acordo com a Resolução do Conselho Consultivo da SPHAN, de 13/08/85, referente ao Processo Administrativo nº 13/85/SPHAN.