retornar

Capela do Padre Faria (Ouro Preto, MG)


Outros Nomes:Capela de Nossa Senhora do Rosário do Padre Faria


Descrição:Deve-se ao Padre João de Faria a construção, nos primeiros anos do século XVIII, de uma ermida em honra de Nossa Senhora do Carmo, no arraial que posteriormente tomou o seu nome. A primitiva invocação da Capela do Padre Faria foi, portanto, a da Virgem do Carmo, que a partir de 1723 passou a pertencer à Irmandade de Nossa Senhora do Parto, constituída de pardos ou mamelucos. Por volta de 1740, a Capela do Padre Faria passou a abrigar também os irmãos brancos da Irmandade do Rosário, iniciando-se nessa época a total reconstrução da capela, no mesmo local da primitiva edificação, porém, em maiores proporções. Em face das lacunas da documentação, não há como compor uma cronologia da construção da igreja. Sabe-se, todavia, a partir das datas inscritas, uma no sino do campanário ao lado da fachada e outra na cruz monumental em frente da porta principal - 1756, que a igreja encontrava-se naquela época em fase final de construção. Conforme se depreende de um testamento constante no Livro de Óbitos da Matriz de Antônio Dias, dois dos altares da Capela do Padre Faria, o altar-mor e o altar de Santo Antônio (lado direito da nave) já haviam sido concluídos em 1750, sendo o terceiro executado, aproximadamente, nessa data. O primeiro registro de auxílio para obras data de 1855 e foi concedido pela Assembléia Legislativa Provincial de Minas Gerais. Sucessivas obras de restauração foram realizadas pelo IPHAN no decorrer deste século, sendo que a realizada em fins da década de 40 consistiu na substituição do frontão composto de curvas e contracurvas, possivelmente uma adaptação do século XIX, por empena simples, como nas capelas de Sant'Ana e São João Evangelista da Serra de Ouro Preto. Na mesma ocasião demoliu-se o pequeno cômodo anexo à sacristia, restabelecendo-se a feição original. No que diz respeito ao forro da nave, sabe-se que em época anterior o teto original de madeira foi substituído por outro em forma de berço, sendo na ocasião substituídas as tábuas originais. A atual pintura do forro da nave data de 1930. A capela do Padre Faria constitui-se hoje no único exemplar no perímetro urbano de Ouro Preto representativo das construções primitivas da Serra de Ouro Preto, sendo, sem dúvida, a mais requintada de todas. Sua planta é composta por nave, capela-mor, sacristia lateral e campanário isolado. A nave forma o corpo principal e constitui a parte mais alta do conjunto. O frontispício é composto por uma larga porta central, encimada por duas portas sacadas à altura do coro e empena com óculo central arrematando o telhado. Duas pilastras de canto, arrematadas superiormente por coruchéus, marcam os cunhais. A posição lateral da sacristia confere maior simplicidade construtiva ao monumento. Detalhe de interesse é a monumental cruz de três braços localizada no adro, exemplar único em Minas Gerais. A Capela do Padre Faria apresenta em seu interior magnífico conjunto de talha incluindo os três retábulos (altar-mor e dois altares do cruzeiro) inteiramente dourado, no estilo D. João V com baldaquino. Segundo Germain Bazin, estes altares apresentam uma excepcional clareza de estrutura, tendo o artista conseguido organizar de forma notável a superposição das volutas, suportes e lambrequins dos baldaquinos. A pintura da capela-mor é de excelente qualidade, provavelmente contemporânea das obras de talha. No forro está representada a coroação da Virgem pelos anjos e nos quatro painéis laterais cenas capitais da vida de Maria: a Visitação, a Anunciação, a Adoração do pastores e a Fuga para o Egito.



Endereço: Bairro do Padre Faria - Ouro Preto - MG

Livro de Belas Artes
Inscrição:249 Data:8-9-1939
     
 

Nº Processo:0075-T-38


Observações:O tombamento inclui todo o seu acervo, de acordo com a Resolução do Conselho Consultivo da SPHAN, de 13/08/85, referente ao Processo Administrativo nº 13/85/SPHAN.