retornar

Capela de Nossa Senhora das Mercês (Tiradentes, MG)


Outros Nomes:Capela das Mercês


Descrição:A Irmandade de Nossa Senhora das Mercês dos Pretos Crioulos foi instituída no dia 14 de dezembro de 1756. O termo de aceitação do compromisso data de 1789 e já se refere ao consistório da Irmandade de Nossa Senhora das Mercês, provavelmente da capela própria. Embora não exista documento anterior a 1800 sobre a construção do templo, é certo que no ano de 1807 a capela já devia estar parcialmente construída, uma vez que naquele ano decidiu-se transferir a procissão dos Passos para a capela de Nossa Senhora das Mercês. Em 1824, D. Frei José da SSmª Trindade, em seu relatório de visita pastoral, refere-se ao altar de talha moderna pintado e dourado da capela de Nossa Senhora das Mercês, como também à pintura do forro. Sobre os trabalhos da talha, a única documentação existente é um pagamento feito ao entalhador José Morais Pereira no ano de 1808, sem, entretanto, especificar a obra. Entre 1807 e 1820 aparecem vários pagamentos por compra de madeiras, cipó para andaimes e obras de carpintaria, encontrando-se entre estes um pagamento a Manoel Martins de Souza por trabalho no forro da capela. As pinturas do forro, retábulo, arco-cruzeiro são de autoria do artista Manoel Victor de Jesus e, parecem ter sido concluídas em 1821. São também de sua autoria, a pintura de um azulejo na capela-mor, credências, sacras e uma bandeira da Irmandade. Já a pintura do óculo, executada entre 1829 e 1830, é de autoria do pintor Jerônimo José de Vasconcelos O assoalho foi feito entre 1821 e 1823, mas em 1969 foi totalmente substituído, eliminando-se as campas. Os púlpitos foram executados por Joaquim Moreira da Silva, por volta de 1824 e pintados em 1845 por Severino de Almeida Souza. Como indica a documentação existente, a construção da igreja de Nossa Senhora das Mercês ocorreu de forma bastante lenta, em função dos escassos recursos, tendo suas obras se arrastado até o século XX, quando foram concluídos o aterro, arrimos e calçamentos do adro. Em 1960/61, o IPHAN realizou obras de restauração na igreja que compreenderam a reconstituição do frontão que havia ruído e a restauração do forro da nave. Mais recentemente, o IPHAN empreendeu ampla restauração na igreja. A Igreja possui planta centrada por nave e capela-mor mais estreita, com duas sacristias ladeando a capela-mor, dois consistórios ladeando a nave, sendo o da esquerda dividido em pequeno saguão. À direita existe um cômodo sob a sineira. A fachada apresenta o corpo central com porta larga, duas janelas à altura do coro e óculo interrompendo a cimalha. Possui frontão recortado em curvas com duas volutas e acrotério curvo com pináculos ladeando a cruz e sobre os cunhais. No centro do frontão encontram-se as armas da Ordem, em massa. Os dois corpos laterais ao corpo central possuem duas aberturas semelhantes às janelas do coro, sendo que a do lado esquerdo é uma sineira. Nesses corpos laterais o telhado aparece com as telhas de topo e o beiral de beira-seveira. O interior possui apenas o rico altar-mor, de gosto rococó, policromado e dourado por Manoel Victor de Jesus, com decoração em rocalhas, flores e marmoreados de cores fortes, pouca talha em aplique, com coroamento em arco pleno e tarja. O arco-cruzeiro é coberto de talha dourada e policromada, com ampla sanefa e tarja com armas da Ordem. Complementam a decoração uma bonita balaustrada de jacarandá torneado, dois púlpitos policromados e coro com balaustrada torneada, já do século XX. As belas pinturas de Manoel Victor de Jesus, ao gosto rococó, cobrem os forros da nave e capela-mor. Nesta encontra-se pintura em caixotões representando cenas da Ladainha da Virgem e na nave acha-se representada Nossa Senhora das Mercês, com os braços abertos sobre o Manto da Misericórdia; cercada por nuvens e anjos, e muro-parapeito com figuras diversas de santos e anjos. A capela possui algumas peças de valor como a bela imagem rococó da padroeira, de grandes proporções, disposta no altar-mor. Na sacristia encontram-se um belo arcaz em talha rococó, lavabo e pias de água-benta.. A capela possui ainda algumas peças de prata dos séculos XVIII e XIX, com destaque para o turíbulo português de fins do século passado. Texto extraído de: Inventário Nacional de Bens Móveis e Integrados. VITAE/IPHAN.



Endereço: Praça das Mercês - Tiradentes - MG

Livro de Belas Artes
Inscrição:475 Data:27-1-1964
     
 

Nº Processo:0066-T-38


Observações:O tombamento inclui todo o seu acervo, de acordo com a Resolução do Conselho Consultivo da SPHAN, de 13/08/85, referente ao Processo Administrativo nº 13/85/SPHAN.