Palestrantes

Banner II Seminário de Fortaleza

Laurent Lévi-StraussLaurent Lévi-Strauss (França)

O francês Laurent Lévi-Strauss é atualmente membro do Conselho da Europa Nostra (maior ONG europeia para a salvaguarda do Patrimônio Cultural em 43 países) e membro da Comissão de Ética para os Museus da Cidade de Genebra. Anteriormente foi Chargé de Mission do diretor do projeto para o novo Musée de l’Homme em Paris. De 1992 a 2009, trabalhou na UNESCO, nomeado diretor-adjunto da Divisão de Patrimônio Cultural, onde supervisionou a implementação de diversos projetos internacionais de salvaguarda e posteriormente as atividades jurídicas e operacionais para apoio de museus e salvaguarda de objetos culturais. 

Também trabalhou no Ministério da Cultura francês como diretor-adjunto da Ecole Nationale Supérieure des Beaux-Arts em Paris, depois como chefe de gabinete do Presidente do canal de TV pública Antenne 2 e posteriormente como diretor do Departamento Universitário da Editora Nathan.  É graduado no Institut d'Etudes Politiques de Paris e possui doutorado em sociologia pela Universidade de Paris X. Publicou três livros e mais de vinte artigos relativos ao tema do Patrimônio Material e Imaterial e sua preservação. 

Hermano Fabrício Oliveira Guanais e Queiroz
Formado em Direito pela Universidade Salvador (Unifacs), realizou a pós-graduado em Direito pela Escola de Magistrados da Bahia (EMAB), tornando-se Mestre em Preservação do Patrimônio Cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional-Iphan. Atuou como advogado da Procuradoria Jurídica do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia – IPAC - (2009/2012); consultor jurídico do IPAC/BA (2012/2014); diretor de projetos, obras e restauro do IPAC/BA (2015); diretor de preservação do patrimônio Cultural do IPAC/BA (2016).

Foi professor universitário e Oficial Advogado do Exército Brasileiro (2016); além de integrante do Conselho Municipal de Política Cultural de Salvador- Bahia. É membro do Conselho Nacional de Política Cultural; autor de diversos artigos jurídicos e da obra “O Registro de Bens Culturais Imateriais como Instrumento Constitucional Garantidor de Direitos Culturais”, publicada pelo Governo do Estado da Bahia na Revista do IPAC nº 1. É autor do Guia de Orientação aos Municípios para Proteção do Patrimônio Cultural.

Adriana Molano Adriana Molano Arenas - Directora de CRESPIAL

Antropóloga com especialização em Políticas Culturais e Gestão de Artes, com experiência de trabalho na elaboração e implementação de políticas participativas em temas culturais. Também dirigiu projetos de fortalecimento do tecido social da perspectiva patrimonial no campo do desenvolvimento sustentável com comunidades afro, indígenas e camponesas.  

No âmbito internacional, foi coordenadora do grupo do patrimônio cultural imaterial e da direção do Patrimonio do Ministério da Cultura da Colombia  (2008-2015). É especialista de estratégia global de fortalecimento das capacidades nacionais para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial na América Latina e Caribe. 

Márcia Sant’AnnaMárcia Sant’Anna

Arquiteta e urbanista graduada pela Universidade de Brasília, é também Mestre e Doutora em conservação e restauro pela Universidade Federal da Bahia. Trabalhou por 25 anos junto a organismos governamentais de preservação do patrimônio cultural, tendo exercido, entre outros, os seguintes cargos: Diretora Interina do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (1988-1989); Coordenadora Regional para os estados do Ceará e Rio Grande do Norte (1996-1997), Diretora do Departamento de Proteção (1998-1999) e Diretora do Departamento do Patrimônio Imaterial (2004-2011) do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). 

Atualmente, é professora da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia, onde é também professora permanente e, desde outubro de 2017, coordenadora interina do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo desta universidade. Tem publicado regularmente artigos sobre preservação do patrimônio urbano, política de preservação do patrimônio cultural imaterial e arquitetura popular. Em 2014, publicou, pela Editora Oiti, o livro Da cidade monumento à cidade-documento e, em 2017, o livro A cidade-atração: a norma de preservação de áreas centrais no Brasil dos anos 1990, pela Editora da UFBA.

Maria Cecilia Londres Fonseca
Doutorada em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB) em 1994, Cecília Londres foi pesquisadora do CNRC de 1976 a 1979. Também foi coordenadora de projetos da FNPM (1979-1989) e assessora do Ministro da Cultura (1995-1998). Foi coordenadora-geral de Políticas da Secretaria de Patrimônio, Museus e Artes Plásticas do MinC (1999-2002) e membro do Grupo de Trabalho do Patrimônio Imaterial (1998-2000). Representante do Brasil na elaboração da Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural da UNESCO (2002-2003) e no 1º. Comitê Intergovernamental do Patrimônio Imaterial (2006-2008). É membro do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural desde e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro desde 2004. Autora de O patrimônio em processo (RJ: Editora UFRJ).

Ulpiano T.Bezerra de MenesesUlpiano T.Bezerra de Meneses

Professor Emérito da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, titular aposentado de História Antiga, docente do programa de Pós-Graduação em História Social, Licenciado em Letras Clássicas (USP, 1959), Doutorado em Arqueoloiga Clássica (Sorbonne, 1964). Dirigiu o Museu Paulista/USP (1989-1994), organizou o Museu de Arqueologia e Etnologia/USP (1963-8) e o dirigiu (1968-78). Membro do Conselho Superior da FAPESP (1977-79), da Missão arqueológica francesa na Grécia (antigo membro estrangeiro), do CONDEPHAAT (1971-87, 1996-2004, 2006-7), do Conselho do Iphan (desde 2005). Fez pesquisas e publicou, no Brasil e no Exterior, nas áreas de História Antiga (história da cultura, pintura helenística, urbanismo antigo), cultura material, cultura visual, patrimônio cultural, museus e museologia. Recebeu a Comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico (2002).
 

Célia Corsino

Museóloga, com especialização em Administração de Projetos Culturais pela Fundação Getúlio Vargas e Metodologia do Ensino Superior pelas Faculdades Estácio de Sá. Desde 1973, vem trabalhando na área de patrimônio.

Também foi diretora do Departamento de Identificação e Documentação do Iphan (1996-2002), onde participou ativamente na elaboração das metodologias dos inventários de Patrimônio Cultural em especial o de Referência Cultural e dos trabalhos que culminaram no Decreto do Registro do Patrimônio de Natureza Imaterial. Atualmente é superintendente do Iphan em Minas Gerais e professora convidada do MBA de Gestão de Museus da Universidade Candido Mendes.

Letícia C. R. ViannaLetícia C. R. Vianna

 

É doutora em antropologia social pelo Museu Nacional/UFRJ. Coordenou processos de aplicação do Inventário Nacional de Referências Culturais e de instrução de Registros do Patrimônio Imaterial no Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP), de 2001 a 2006. Implementou método de monitoramento da salvaguarda de bens Registrados no Departamento de Patrimônio Imaterial/Iphan, de 2007 a 2014. Desde 2014 coordena mapeamento de mestres dos saberes tradicionais no Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa - INCTI/UnB/CNPq.

Lygia SegalaLygia Segala 

É professora Associada da Universidade Federal Fluminense na Faculdade de Educação e no Programa de Pós-graduação em Cultura e Territorialidades. Possui  Doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998), com estágio doutoral na École des Hautes Études en Sciences Sociales Paris; Pós-doutorado pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (2008) e pelo Centre D´Étude du Développement en Amérique Latine (2007); Pós-doutorado (2013-14) no PPGAS/ Museu Nacional UFRJ/ Colégio Brasileiro de Altos Estudos da UFRJ. É pesquisadora-associada do Programa de Memória dos Movimentos Sociais (MEMOV) do Colégio Brasileiro de Altos Estudos da UFRJ, do Núcleo de Antropologia do Trabalho, Estudos Biográficos e Trajetórias (NuAT) da UFRJ, do Laboratório do Filme Etnográfico da UFF, do GP Museologia experimental e imagem da UNIRIO e Coordenadora do Grupo de Pesquisa Antropologia e Educação do Laboratório de Educação e Patrimônio Cultural da UFF . Desenvolve projetos nas seguintes linhas de pesquisa: "Memória social e Patrimônio Cultural", "Antropologia do Trabalho e Estudos biográficos", "Antropologia da Imagem e Comunicação", "Antropologia e Educação".

Rosildo Moreira do Rosário

 

Rosildo Moreira do Rosário

Professor, pedagogo, especialista em História e Cultura Afro Brasileira, Foi secretário de Educação do Município de Saubara (2005/2006), diretor de Cultura do Município de Santo Amaro (2007). Coordenador da Associação dos Sambadores e Sambadeiras do Estado da Bahia (2005/2010), coordenou os projetos Pontão de Cultura do Samba de Roda da Bahia e Rede do Samba, dirigiu os documentários Mulheres do Samba (2014) e Êta Marujada - A arte de Soltar as amarras (2015).Também foi diretor do Centro de Referência do Samba de Roda da Bahia  Casa do Samba(2008/2010) e coordenou uma série de projetos culturais dentre eles: Coletânea Sambadores e Sambadeiras da Bahia, I e II Séie de cd´s Casa do Samba, II Mostra do Samba de Roda do Recôncavo, Circuito de Samba no Pelô e a Exposição fotográfica o Samba em Imagens.

Claudia MarciaggClaudia Marcia Ferreira

Museóloga formada pela Universidade do Rio de Janeiro, foi diretora do Museu de Folclore Edison Carneiro no período de 1982 a 1990. Desde então assumiu a direção do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, hoje Unidade Especial do Departamento de Patrimônio Imaterial do Iphan. Desenvolve programas e projetos voltados especialmente para o campo da museologia, do artesanato e da arte popular, tendo publicado artigos e textos em catálogos e outras edições institucionais da FUNARTE e do Iphan. Foi presidente do Conselho Federal de Museologia no período de 1990 a 1991. Integrou o Grupo de Trabalho que assessorou a Comissão na elaboração da proposta de criação do Registro e do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial, instituídos pelo Decreto 3551, de agosto de 2000. Atualmente é membro do Conselho Estadual de Tombamento do Rio de Janeiro, do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural – INEPAC.  

Maria Laura Viveiros de Castro CavalcantiMaria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti

 

Professora titular de Antropologia no Programa de Pós Graduação de Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. É editora chefe da revista Sociologia & Antropologia, sendo autora de publicações como Carnaval, ritual e arte; Reconhecimentos: antropologia, folclore e cultura popular e Carnaval carioca: dos bastidores ao desfile (2006. Ed. UFRJ). Publicou também um livro de contos Todo dia amanhece no Arpoador (2012. 7Letras). 

Alessandra Ribeiro Martins

Alessandra Ribeiro Martins

A historiadora, mestre e doutora em Urbanismo pela PUC Campinas, Alessandra Ribeiro Martins, desenvolveu sua tese e dissertação na temática negra, sendo Matriz Africana em Campinas: Território, Memória e Representação e requalificação Urbana: a Fazenda Roseira e a comunidade Jongo Dito Ribeiro Campinas/SP, respectivamente. 

Alessandra Ribeiro é gestora e Coordenadora Geral da Casa de Cultura AFRO Fazenda Roseira, religiosa de Matriz Africana do Templo de Umbanda Mãe Joana Três Estrelas e Mestre e Liderança da Comunidade Jongo Dito Ribeiro – Campinas/SP.

Ana Claudia Lima e Alves

Ana Claudia Lima e Alves

É especializada em patrimônio cultural com 27 anos de atuação no Iphan (1983/2010), sendo mestra em História Cultural pela Universidade de Brasília (2004). Tem participado da concepção da política de preservação do patrimônio cultural imaterial desde a Assembleia Nacional Constituinte (1988), em especial da criação e aplicação dos seus principais instrumentos pelo Iphan: o Inventário Nacional de Referências Culturais – INRC e o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial. Nos últimos anos tem se voltado para a pesquisa e valorização da alimentação como expressão da cultura e para a defesa da agricultura familiar. Integrante do Grupo de Trabalho Slow Food Brasil de Queijos Artesanais de Leite Cru, assumiu em 2014 a Coordenação Técnica do Projeto de Salvaguarda do Modo Artesanal de Fazer Queijo de Minas, realizado pelo GT de Queijos e pelo ITS – Instituto Terceiro Setor, sob patrocínio do Iphan.

Maria Elisabeth Costa

Maria Elisabeth Costa

Graduada em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rioo de Janeiro (UFRJ), é mestre em Psicolinguística pelo Instituto de Psicologia e Doutora em Antropologia pela IFCS/UFRJ. Atualmente é chefe da Divisão de Pesquisa do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular.

 

 


 

Ana Gita de Oliveira
Doutora em Antropologia Social e Cultural participou do grupo que criou o Decreto 3.551/2000 e o Inventário Nacional de Referências Culturais-INRC. Participou também da implementação da Política de patrimônio cultural com a criação do Departamento do Patrimônio Imaterial/Iphan, sendo Coordenadora Geral de Inventario e Registro/DPI/Iphan. Contribuiu para a discussão inicial sobre política de patrimônio Imaterial para América Latina no CRESPIAL/UNESCO e coordenou a primeira experiência da política de patrimônio imaterial junto aos povos indígenas do Rio Negro. Em seminário na Argentina, apresentou a experiência brasileira sobre política de patrimônio imaterial. Possui publicações em livro e artigos.

 

 

Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin