O Iphan em Minas Gerais

A Superintendência do Iphan em Minas Gerais atua na preservação do patrimônio cultural de um dos estados brasileiros com o maior número de bens tombados, que abrangem riquíssimos acervos do período colonial português e modernos exemplares da arquitetura brasileira do século XX. Os conjuntos urbanos protegidos reúnem milhares de edificações, inúmeros acervos de obras de arte e documentos, entre outros bens. Minas é o Estado que mais concentra bens declarados Patrimônio Mundial, pela Unesco: Ouro Preto (o primeiro conjunto urbano tombado pelo Iphan), o Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas (com as esculturas dos Profetas, de Aleijadinho, dentre outras obras); o centro histórico de Diamantina; e o Conjunto Moderno da Pampulha. 

Tradições culturais, saberes e fazeres como o toque dos sinos que ecoam pelas montanhas mineiras são alguns dos bens culturais imateriais protegidos pelo Iphan. Os bens imateriais registrados como Patrimônio Cultural Imaterial no Estado são o Modo Artesanal de Fazer o Queijo de Minas, Ofício de Sineiros, Toque dos Sinos em Minas Gerais, Jongo no Sudeste, Roda de Capoeira e Ofício dos Mestres de Capoeira. Atendendo à solicitação de comunidades detentoras, estão em andamento os inventários nacionais de referências culturais (INRCs) das Famílias Teodoro e Ventura (na região do Alto Paranaíba, em uma área quilombola no município de Serra do Salitre) e das Congadas de Minas Gerais. 

Outros inventários realizados e concluídos são o Assentamento São Francisco no Parque Nacional Grande Sertão Veredas, Cerâmica do Candeal, Modo de Fazer Viola de 10 cordas no Alto-médio São Francisco, Festas Religiosas de Ouro Preto, Serra do Cipó, Linguagem dos Sinos nas Cidades Históricas Mineiras, Ofício do fotógrafo lambe-lambe, Mercado Central de Belo Horizonte e os Mestres Artífices da construção civil tradicional. Também se encontram finalizados o Mapeamento Documental da Cultura de Minas Gerais e o Levantamento etnolinguístico de comunidades afro-brasileiras em Minas Gerais feito por meio do Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL), que é um instrumento oficial de identificação, documentação, reconhecimento e valorização das línguas faladas pelos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira.

Minas Gerais, com 853 municípios, possui uma imensa diversidade cultural e inúmeras manifestações culturais distribuídas pelo norte do Estado (região de transição entre os biomas Caatinga e Cerrado) até ao sul com suas áreas de mata mais densa e clima frio (inseridas no bioma Mata Atlântica). Às Superintendências do Iphan cabe propor, planejar, coordenar, além de implementar e executar e avaliar as atividades, programas, ações e projetos referentes à ação institucional do Iphan, na preservação dos bens culturais sob sua circunscrição, atendendo às diretrizes institucionais e da Política Nacional do Patrimônio Cultural. 

São vinculados à Superintendência de Minas Gerais os escritórios técnicos de Congonhas, Diamantina, Mariana, Ouro Preto, Serro, São João del Rei e Tiradentes, que funcionam como representações do Iphan nesses municípios. Entre as atribuições das Superintendências está a elaboração de proposta e instrução de processos de tombamento, registro e chancela de bens culturais; promoção e implementação de estudos e pesquisas que possibilitem ampliar o conhecimento sobre o patrimônio cultural; e fiscalização dos projetos licenciados com base em Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA), destinados à implantação de empreendimentos que envolvam o patrimônio cultural. 

Instalações - Desde 2006, a sede do Iphan ocupa o casarão do Conde de Santa Marinha, antiga residência de Antônio Teixeira, industrial e um dos construtores de Belo Horizonte, a capital mineira. O imóvel é patrimônio municipal e estadual, e testemunha a ascensão e decadência do transporte ferroviário em Belo Horizonte. Edificado às margens da linha férrea que chega ao centro da cidade, o palacete ocupa uma área de 37 mil metros quadrados com cinco galpões, oito salas e estacionamento com 600 vagas, uma vez que servia de residência e ponto de comércio para o conde.

A Casa do Conde
Escritórios Técnicos
Ações de Apoio e Fomento
Linha do Tempo Iphan-MG

A Casa do Conde - Sede da Superintendência Estadual do Iphan em Minas Gerais

Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin