Ouro Preto

Igreja de Nossa Senhora do Carmo

A incursão à região que deu origem à cidade de Ouro Preto remonta ao fim do século XVII. No entanto, sua ocupação começou na primeira década do século XVIII, consolidando-se na primeira década do século seguinte. Seus primeiros habitantes ocuparam núcleos esparsos, em morros ou às margens de córregos, locais onde era maior a presença do ouro.

Em 1711, tornou-se oficialmente uma vila. Resultado das interligações dos arraiais primitivos, foi desenvolvendo o seu tecido urbano, entrecortado por becos, travessas e ladeiras, com as ruas principais acompanhando as curvas de nível. Coincide com essa data uma intervenção mais efetiva da Coroa Portuguesa nessa vila – Vila Rica – que instalou no Morro de Santa Quitéria uma praça com o objetivo de abrigar a Casa de Câmara e Cadeia e o Palácio dos governadores.

Atraída pelo ouro, a população de Vila Rica cresceu rapidamente e as primeiras capelas tornaram-se insuficientes para atender às necessidades religiosas de seus habitantes. Por volta de 1730, surgem os edifícios definitivos das matrizes de Nossa Senhora do Pilar e de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias, marcos de origem de Ouro Preto. 

O auge da produção aurífera durou cerca de 25 anos – de 1725 até 1750. A riqueza advinda da atividade mineradora refletiu-se no modo de vida dos moradores da Vila Rica. As moradias, por exemplo, ganharam novos acréscimos: as varandas posteriores ampliaram-se, surgiram os forros de madeira, e as portas e janelas ganharam almofadas. No entanto, a taipa e o pau a pique ainda não haviam cedido lugar ao quartzito do Pico do Itacolomi, só aproveitado mais tarde, na construção do Palácio dos Governadores.

Praça Tiradentes em Ouro Preto

Na segunda metade do século XVIII Vila Rica começou a adquirir seu aspecto atual. O surgimento das duas principais Ordens Terceiras, a do Carmo e a de São Francisco, entre 1740 e 1760, refletiu na construção das igrejas dessas Ordens e trouxe a introdução de novos valores estéticos a esses monumentos – que se concretizaram em algumas obras-primas do barroco e do rococó, no segundo quartel do século XVIII. Neles trabalharam os mestres portugueses e uma primeira geração de artistas mineiros, que mostravam uma nova e mais livre interpretação dos elementos formais. Entre eles, destaca-se Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, o mais importante artista da época.

A vila já estava urbanamente definida e por fim ganhou grandes obras públicas, como os inúmeros e bem ornamentados chafarizes e as sólidas pontes de cantaria. Nesse período, as primitivas construções particulares de canga ou pau a pique cederam lugar a prédios com reforço de alvenaria, com mais requintes de acabamento, surgindo empreendimentos urbanos de maior vulto. Sobressaem, na cidade, as pontes e seus inúmeros chafarizes barrocos que, singelos ou trabalhados, como os chafarizes do Passo de Antônio Dias, dos Contos, de Marília e da Glória. 

Até fins do século, a vila viu melhorar seu arruamento, com praças e ruas pavimentadas em pedra. Estavam já construídas, ou em fase de conclusão, dentre outras, as Matrizes de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias e de Nossa Senhora do Pilar, e a Igreja Nossa Senhora do Carmo, datada da segunda metade do Século XVIII, com risco modificado pelo Aleijadinho, que tornou seu frontispício curvo e as torres circulares. A Igreja de São Francisco de Assis, datada de 1766, é a obra-prima do Aleijadinho, e nela a dinâmica barroca verifica-se a partir do frontispício, destacando-se a portada monumental. Há, ainda, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, sede de uma irmandade de pretos, cuja planta desenvolve-se em elipses, bem como a Igreja de Santa Efigênia, pertencente a outra irmandade de pretos, por seu excepcional conjunto de talha, tendo ali trabalhado o entalhador e escultor Francisco Xavier de Brito, que colaborara na Matriz do Pilar.

Há inúmeros outros exemplares da arquitetura religiosa de Ouro Preto que apresentam características notáveis tanto em sua arquitetura quanto nas artes da escultura e da pintura em seus interiores. Na singularidade do barroco local, verifica-se a perfeita harmonia dos modelos tradicionais portugueses às condições e aos materiais ali encontrados, como, também, o emprego da alvenaria caiada com pedra-sabão. 

A arquitetura civil caracteriza-se pela elegância e sobriedade das formas. Entre seus exemplares mais eruditos, destacam-se: o Palácio dos Governadores – projetado por Alpoim – que domina a praça principal e marca o poderio colonial; a Casa de Câmara e Cadeia (atual Museu da Inconfidência), do outro lado da praça – projetada pelo Governador Luís da Cunha Menezes – com linhas em espírito neoclássico; e a Casa dos Contos, vinculada aos modelos arquitetônicos do norte de Portugal, com seus robustos cunhais de pedra e detalhes mais apurados, trabalhados em cantaria.

Mais do que todas as cidades coloniais mineiras, Ouro Preto conseguiu, por diversos fatores, manter sua antiga imagem setecentista, sendo o exemplo mais autêntico da civilização urbana aqui implantada pelos colonizadores portugueses. Por isso, a cidade de Ouro Preto foi erigida a Monumento Nacional em 12 de julho de 1933; tombada em 20 de janeiro de 1938, processo nº 070-T-38, inscrição nº 39, constando do Livro de Belas Artes, p. 8; em 15 de setembro de 1986, inscrição nº. 512, constando do Livro Histórico, v. 1, p. 98, e inscrição nº. 98, constando do Livro Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico, p. 47. E, por fim, seu Conjunto Arquitetônico e Urbanístico foi inscrito pela Unesco na Lista do Patrimônio Cultural da Humanidade, em 21 de setembro de 1980.

Ouro Preto (MG)

  • Visão Geral de Ouro Preto
    O traçado das ruas principais de Ouro Preto acompanha o desenho topográfico dos morros e córregos - Vista da ladeira de Santa Efigênia.
  • Casario de Ouro Preto
    O tecido urbano da cidade de Ouro Preto é entrecortado de becos, travessas e ladeiras - Rua do Pilar
  • Capela do Bonfim
    A arquitetura da Capela do Senhor do Bonfim é bastante simples: a estrutura é de pedra, o forro é em madeira e o piso em lajeado
  • Capela do Padre Faria
    Capela do Padre Faria
  • Interior da Capela do Padre Faria
    A Capela do Padre Faria apresenta em seu interior um conjunto de talha incluindo os três retábulos (altar-mor e dois altares do cruzeiro) inteiramente dourado - altar-mor e altares colaterais da nave.
  • Capela de Nossa Senhora da Conceição
    Coube ao bandeirante Antônio Dias a iniciativa da construção de uma capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição, por volta de 1699
  • Altar da Capela de Nossa Senhora da Conceição
    A decoração interna da nave é atribuída a Manoel Francisco Lisboa - Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias.
  • Igreja do Bom Jesus do Matozinhos
    Fachada da Igreja de Bom Jesus do Matozinhos.
  • Interior da  Igreja do Bom Jesus do Matozinhos
    A iconografia da Igreja de Bom Jesus do Matozinhos é bastante complexa, reunindo São Miguel e Almas, Sagrados Corações e Bom Jesus de Matozinhos
  • Igreja Nossa Senhora das Mercês e Misericórdia
    A Igreja Nossa Senhora das Mercês e Misericórdia tem rígida marcação de seu volume arquitetônico, dividido em dois blocos quadrangulares compostos pela nave e capela-mor
  • Igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões
    A fisionomia da Igreja de Nossa Senhora das Mercês e Perdões está diferente da época da construção. A taipa de pedra foi substituída por alvenaria e um novo frontispício foi edificado
  • Igreja de Nossa Senhora do Carmo
    Igreja de Nossa Senhora do Carmo.
  • Interior da Igreja de Nossa Senhora do Carmo
    A nave da Igreja de Nossa Senhora do Carmo é ampla e decorada por retábulos. O altar-mor foi desenhado por Manuel da Costa Athaíde
  • Detalhe da decoração da Igreja de Nossa Senhora do Rosário
    A Igreja de Nossa Senhora do Rosário é considerada como a expressão máxima do barroco colonial mineiro
  • Altar e teto da Igreja de Santa Efigênia
    Os altares da Igreja de Santa Efigênia caracterizam-se pela riqueza e profusão de detalhes
  • Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar
    Construída em meados do século XIX, a fachada atual da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar constitui-se numa espécie de síntese dos frontispícios do Rosário e São Francisco
  • Interior da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar
    A Matriz do Pilar apresenta estrutura arquitetônica idêntica à das igrejas construídas no mesmo período, caracterizada pela justaposição de duas formas quadrangulares
  • Interior da Igreja São Francisco de Assis
    Os altares da nave da Igreja São Francisco de Assis foram projetados por Aleijadinho e concluídos no século XIX
  • Igreja São Francisco de Paula
    As obras de construção da Igreja São Francisco de Paula se estenderam por todo o século XIX. De grandes proporções, sua planta obedece aos padrões clássicos
  • Praça Tiradentes
    Na praça Tiradentes foram edificados dois dos maiores exemplares da arquitetura civil da cidade: o Palácio dos Governadores e a Casa de Câmara e Cadeia (atual Museu da Inconfidência)
  • MG_Ouro_Preto_Chafariz
    Chafariz no Largo Marília de Dirceu restaurado
  • MG_Ouro_Preto_Chafariz2
    Chafariz no Largo Marília de Dirceu, antes do restauro
  • MG_Ouro_Preto_Igreja_Nossa_Senhora_da_Conceicao
    Igreja Nossa Senhora da Conceição em Ouro Preto (MG)
  • MG_Ouro_Preto_vista
    Vista de Ouro Preto nos anos 1970
  • MG_Ouro_Preto_vista_cidade
    Escola de Minas e Metalurgia, antigo Palácio dos Governadores, em 1941
  • subsite_iphan_minasgerais
    Ouro Preto (MG)
  • MG_MAT_OURO_PRETO_Vista_Aerea
    Ouro Preto MG
  • MG_OURO_PRETO_Ladeira_de_Santa_Efigenia
    Vista da Rua de Santa Efigênia.
  • MG_OURO_PRETO_paisagem_fundos_Ladeira_de_Sta_Efigenia
    Vista da Rua de Santa Efigênia.
  • MG_OURO_PRETO_patrimonio_mundial3
    vista panorâmica do Conjunto Arquitetônico e Urbanístico de Ouro Preto.
  • Ouro Preto
    Conjunto Arquitetônico e Urbanístico - Outro Preto (MG)
  • MG_MAT_OURO_PRETO_conjunto_arueitetonico_e_urbanistico_antiga_1
    Conjunto Arquitetônico e Urbanístico - Ouro Preto (MG)
  • MG-OURO-PRETO-igreja-nossa-senhora-do-carmo-vista-do-alto
    Igreja de Nossa Senhora do Carmo
  • MG_OURO_PRETO_Adro_Igreja_Antonio_Dias_Carlos_Cafe_(1)
    Adro da Igreja Antônio Dias
  • MG_OURO_pRETO_Cnjunto_antiga (5)
    Praça Tiradentes - Conjunto Arquitetônico e Urbanístico - Ouro Preto (MG)
  • MG_OURO_PRETO_conjunto_arueitetonico_e_urbanistico_antiga_2
    Conjunto Arquitetônico e Urbanístico - Ouro Preto (MG)
  • MG_OURO_PRETO_conjunto_arueitetonico_e_urbanistico_antiga_6
    Conjunto Arquitetônico e Urbanístico - Ouro Preto (MG)
  • MG_OURO_PRETO_museu_inconfidencia_credito-thinkstock
    Museu da inconfidência
  • MG_OURO_PRETO_Praça_Tiradentes
    Praça Tiradentes
  • MG_OURO_PRETO_Praça_Tiradentes_atual_e_antigo
    Praça Tiradentes
  • MG_OURO_PRETO_Praça_Tirandentes_1956
    Praça Tirandentes, ano 1956
  • MG_OURO_pRETO_Cnjunto_antiga (7)
    Conjunto Arquitetônico e Urbanístico - Ouro Preto (MG)
Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin