Edital PNPI 2011 - Mapeamento e Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial

O Edital do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI), de 2011, contemplou cinco projetos e o Fundo Nacional de Cultura (FNC) apoio seis projetos, totalizando 11 projetos contemplados para desenvolver ações de Mapeamento e Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial.  Neste ano, o Edital selecionou projetos de duas linhas: 

  1. Projetos de salvaguarda referentes a saberes, modos de fazer, formas de expressão, festas, rituais, celebrações, lugares, e espaços que abrigam práticas culturais coletivas vinculadas às tradições das comunidades afro-brasileiras, indígenas e ciganas, entre outras; e 
  2. projetos de mapeamento documental das referências culturais de imigração que se refiram a um ou mais grupos de imigrantes, no seu contexto nacional.

 

Os projetos, por força do edital, deveriam atender a um ou mais dos seguintes objetivos na primeira linha: 

  1. Transmissão de conhecimentos de detentores e/ou produtores de bens culturais de natureza imaterial para as novas gerações;
  2. documentação pelos meios técnicos mais apropriados dos saberes, celebrações, formas de expressão e lugares relacionados à história, à memória e à identidade das comunidades em foco;
  3. tratamento, disponibilização e/ou exposição ao público dos acervos bibliográficos, audiovisuais, sonoros e outros, relativos aos bens culturais de natureza imaterial identificados;
  4. reconhecimento e valorização de detentores de conhecimentos e de formas de expressão tradicionais de caráter imaterial e apoio às condições de produção e reprodução desses bens;
  5. organização comunitária e gerencial de produtores e/ou detentores de bens culturais imateriais; e
  6. estímulo à formação de pesquisadores e agentes de preservação no seio das comunidades onde os projetos foram desenvolvidos.

 

Na segunda linha, deveriam buscar os seguintes objetivos:

  1. Estudo histórico, de cunho bibliográfico e documental, com indicação comentada de obras referenciais, sobre os processos de imigração do grupo no Brasil (da sua chegada ao país aos dias atuais), caracterizando as suas diferentes dinâmicas e temporalidades, inclusive na sua relação com outros grupos de imigrantes e nas suas migrações internas;
  2. elaboração de mapas com dados históricos sobre a população no território nacional em diferentes momentos, assim como seus processos de migração, e com dados atuais sobre a localização dos grupos;
  3. diagnóstico amplo da situação atual dos grupos de descendentes de imigrantes e da sua inserção na dinâmica sociocultural brasileira; elaboração de lista de núcleos de pesquisas, acervos e arquivos e instituições da sociedade civil que tem a imigração do grupo em estudo como objeto de atuação, com breve descrição, síntese das atividades e contatos; elaboração de levantamento de programas e políticas governamentais voltadas, direta ou indiretamente, para as comunidades de descendentes;
  4. levantamento e diagnóstico dos arquivos e acervos bibliográficos, iconográficos e audiovisuais que sejam referentes à cultura de imigração em estudo em relação às instalações físicas, recursos humanos, condição de conservação dos documentos, organização técnica de acordo com padrões de arquivologia e biblioteconomia, informatização, disponibilidade dos acervos ao público e acessibilidade, entre outros aspectos considerados relevantes;
  5. levantamento de bens culturais referenciais para os descendentes do grupo imigrante, organizados por critérios territoriais e/ou outros coerentes com os processos de imigração e experiências históricas dos grupos envolvidos, sistematizados nas categorias do Inventário Nacional de Referências Culturais (INRC); e 
  6. reflexão analítica acerca das possibilidades de patrimonialização de bens culturais referenciais para grupos de descendentes, com indicação de prioridades, bens em risco e proposta de implantação de ações de identificação, reconhecimento e apoio. 

 

Inicialmente foram disponibilizados pelo Iphan R$ 500 mil, alcançando, entretanto, R$ 516.155,73 ao final da avaliação. A este valor somou-se a disponibilização de R$ 610.059,76 do Fundo Nacional de Cultura. 

  • R$ 261.651,41 como contrapartida das instituições; e
  • R$ 1.387.866,90 total de recursos destinados aos projetos.

 

Os projetos foram avaliados tecnicamente por Edson Silva de Farias, Damiana Bregalda Jaenisch, Giorge Patrick Bessoni e Silva, Izabela Maria Tamaso, Mônica Castro de Oliveira e Mônia Luciana Silvestrin.

Projetos executados 

  1. Capoeira no Rio Grande do Norte
  2. Carijo - Herança do Conhecimento na Fabricação da Erva Mate
  3. Difusão dos Bens Culturais em Quilombos do Vale do Ribeira
  4. Inventário das Manifestações Culturais Afrodescendentes em Ouro Preto
  5. Mapeamento e Salvaguarda do Saber Quilombola do Jucá
  6. Memórias de Quilombolas Kalunga em Romaria no Vão de Almas (GO)
  7. Mestres Bordadeiras do Rio Grande do Sul
  8. Os Saberes do Fazer - Cultura Caiçara Viva
  9. Pessânka - Ovos Escritos, Expressão da Cultura Ucraniana no Brasil
  10. Receitas da Imigração - Língua e Memória da Arte Culinária no Vale do Itajaí
  11. Registrando os Saberes - Cultura Popular dos Caboclos do Oeste de Santa Catarina
Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin