Caboclinho

O Caboclinho foi reconhecido, em 24 de novembro de 2016, como Patrimônio Cultural do Brasil e inscrito, pelo Iphan, no Livro do Registro das Formas de Expressão. A manifestação cultural dos grupos de Caboclos, ou Caboclinhos, recebeu o registro de bem cultural imaterial por suas atividades no carnaval pernambucano desde o final do século XIX. Simboliza a memória do encontro cultural e da resistência, sobretudo das populações indígenas e também dos povos africanos escravizados, que reverberam profundamente na história do Nordeste rural brasileiro. 

As estruturas dramáticas desse bem imaterial reúnem elementos de dança e música, reelaboram narrativas de guerreiros e heróis que são capazes de conectar a vida cotidiana ao elemento mítico do caboclo brasileiro. A prática marcada por uma forte presença religiosa afro-indígena-brasileira está ancorada, principalmente, no culto à Jurema, com entidades espirituais denominadas Caboclos. Os instrumentos musicais são outra singularidade da expressão cultural, sendo o Caracaxá e a Preaca, por exemplo, exclusivos dos Caboclinhos. 

A ocorrência do Caboclinho se estende pelos estados de Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte, ficando como referência para proposta de Registro a Região Metropolitana de Recife e a Zona da Mata Norte de Pernambuco. Como ocorre em muitas expressões da cultura popular, a transmissão de saberes no Caboclinho está atrelada à observação e à prática, orientada pela transmissão oral de conhecimentos dos mais antigos na manifestação para os mais jovens.

Na maioria das vezes, a performance ocorre nas ruas e os participantes usam indumentária específica cujos adereços são emplumados e ornamentados com muito brilho. Apresentam dança e música características e singulares e, em alguns grupos, um recitativo ou drama, podendo essa estrutura variar a partir do tipo de local – no desfile carnavalesco, ensaios, palcos ou apresentações públicas. O movimento básico da dança é a “manobra”, executada pelos participantes organizados, geralmente, em duas filas, cada um deles portando uma preaca (adereço/instrumento musical, em forma de arco e flecha). A música possui uma sonoridade singular, tanto pelos instrumentos empregados – alguns exclusivos do Caboclinho – quanto pelos aspectos musicais (ritmos, melodias, etc.). 

Documentos

Parecer do DPI
Parecer Jurídico
Parecer do Conselho Consultivo
Certidão
Titulação do Caboclinho 

Leia mais

Dossiê do INRC do Caboclinho 
Video do Registro
Banco de Dados dos Bens Culturais Registrados
Contatos 

Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin