Patrimônio Mundial - RS

As Missões Jesuíticas Guarani (no Brasil, o sítio arqueológico de São Miguel das Missões) compreenderam 30 povoados como um sistema de bens culturais transfronteiriços, envolvendo o Brasil e a Argentina. Foi uma experiência do processo de colonização e evangelização da Companhia de Jesus nas colônias espanholas na América, nos séculos XVII e XVIII, as chamadas Reduções. Neste modelo, as construções obedeciam dois tipos básicos em torno de uma praça central: de um lado, a igreja principal, residência e colégio, onde se realizavam as atividades educativas e religiosas; e os outros três lados da praça eram destinados à população indígena. 

Em São Miguel, a construção da igreja durou 10 anos, e o projeto foi inspirado na Igreja de Gesú, em Roma, e resultou no edifício em pedra de cantaria, branqueada com um tipo de argila chamada tabatinga. Ao contrário das demais construções missioneiras da época, a estrutura foi definida por paredes de pedra, e não esqueletos de madeira que eram comuns. Na falta da cal, não disponível na região, o barro foi o material ligante das alvenarias. Algumas imagens do interior da igreja, feitas em arenito, integram o acervo do Museu das Missões.

Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin