O Iphan em Santa Catarina

A ação do Iphan em Santa Catarina teve seu início em 1938, um ano após a criação do Iphan. Até 1989, Santa Catarina esteve subordinada administrativamente à 10ª Diretoria Regional, com sede em Porto Alegre (RS). Nesse mesmo ano, o Instituto instalou a 12ª Diretoria Regional no Estado que, em 1990, recebeu a denominação de 11ª Coordenação Regional. Em 2009, a Coordenação foi transformada na Superintendência do Iphan em Santa Catarina. Dois escritórios técnicos funcionam em Laguna e São Francisco do Sul, além da representação no Vale do Itajaí.

A Superintendência promove ações e atividades de Educação Patrimonial reunindo os agentes envolvidos com a preservação do patrimônio cultural do Estado. Em Laguna, a Casa do Patrimônio funciona no Escritório Técnico do Iphan. As Casas do Patrimônio são um espaço de diálogo com a comunidade local, de articulação institucional e promoção de ações educativas. O intuito é promover e favorecer a construção coletiva do conhecimento e a participação social nas ações educativas de valorização e preservação do patrimônio cultural. 

Em 2011, foi assinado o Acordo de Preservação do Patrimônio Cultural (APPC) firmado entre o Iphan, o governo estadual e as prefeituras de Florianópolis, Itaiópolis, Joinville, Laguna e São Francisco do Sul. Cada cidade elaborou um Plano de Ação para enfrentar as questões locais mais importantes por meio do planejamento integrado de iniciativas de desenvolvimento social vinculado às potencialidades do patrimônio cultural. Para isso, são necessárias ações que abrangem formação de técnicos, gestão integrada, recuperação, valorização e promoção do uso do patrimônio cultural, criação de infraestrutura urbana e social, recuperação e promoção de usos de imóveis privados, entre outras. 

Entre as publicações lançadas pela Superintendência está o Guia do Patrimônio Cultural de Santa Catarina, com uma tiragem de 17,5 exemplares para distribuição às prefeituras e outras instituições estaduais e federais. O Guia mostra os aspectos da colonização italiana, açoriana, germânica, polonesa, ucraniana e austríaca estará no guia. Locais turísticos, comerciais e residenciais das cidades de Cocal do Sul, Forquilhinha, Nova Veneza, Orleans, Pedras Grandes, Treviso, Treze de Maio e Urussanga são descritos neste trabalho. 

Os bens tombados pelo Iphan, no Estado de Santa Catarina, estão nas páginas 85 a 90 da Lista de Bens Materiais Tombados e Processos em Andamento (1938 a 2016)

Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin