Patrimônio Mundial - SP

O trecho da Mata Atlântica que se inicia na Serra da Juréia, em Iguape, São Paulo, e vai até a Ilha do Mel, em Paranaguá, Paraná, foi declarado Reserva da Biosfera, pela Unesco, em 1991, e Patrimônio Natural Mundial, em 1999. O objetivo da inclusão da Mata Atlântica na Reserva da Biosfera é estimular a preservação das florestas primárias e garantir a existência do seu patrimônio étnico e cultural, representado especialmente, pelas comunidades indígenas que habitam o entorno da área protegida. Essas comunidades convivem, há séculos, em plena harmonia com o meio ambiente, servindo-se dele sem destruí-lo. 

Seus conhecimentos sobre madeiras e plantas medicinais, técnicas artesanais e manifestações rituais e artísticas, que dependem dos recursos naturais, ficarão ameaçados se estes desaparecerem. Nas proximidades do centro histórico de Iporanga, os habitantes de um quilombo preservam seus usos, costumes e a língua nativa. Além do valor étnico e cultural, a região abriga mais de 50 sítios arqueológicos e a primeira cidade brasileira, São Vicente, fundada por Martim Afonso de Souza, em 1532.

Após 500 anos de exploração, a Mata Atlântica, que se estendia por 17 estados brasileiros, correspondia a aproximadamente 1,3 milhão de quilômetros quadrados ou 15% do território nacional, ficou reduzida a 95 mil quilômetros quadrados, ou seja, 7,3% da área original. A exploração intensiva e desordenada da floresta iniciou-se logo após o descobrimento, com a extração do pau-brasil a partir de 1502. 

As áreas remanescentes da Mata Atlântica, localizadas nas serras do Mar e da Mantiqueira, são ecossistemas que apresentam árvores com folhas largas e perenes, com exemplares que chegam a atingir 50 metros de altura. Há grande diversidade também na fauna endêmica, formada principalmente por anfíbios, mamíferos e aves das mais diversas espécies. A biodiversidade da Mata Atlântica é semelhante à da Amazônia, e já foram registradas 250 espécies de mamíferos, 1020 de pássaros, 197 de répteis, 340 de anfíbios e 350 de peixes que integram no bioma, sem contar os insetos, e demais invertebrados, e, ainda, as espécies não descobertas pela ciência que podem habitar os trechos intactos de floresta. A Mata Atlântica abriga 383 dos 633 animais ameaçados de extinção no Brasil. 

Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin