Principal » Notícias » Congonhas comemora 30 anos de título de Patrimônio Mundial
- A +
Congonhas comemora 30 anos de título de Patrimônio Mundial
 
13/05/2015
basilica

 

A cidade histórica de Congonhas, em Minas Gerais, está em festa. A partir de domingo, dia 17 de maio, uma vasta programação cultural se inicia no município para celebrar o título de Patrimônio Mundial, conferido em 1985, pela UNESCO, ao Santuário de Bom Jesus de Matosinhos. O conjunto, construído na segunda metade do século 18, é singular por reunir, em um só lugar, uma magnífica igreja em estilo rococó, além da obra-prima de Aleijadinho: os 12 profetas e as 64 estátuas com a representação dos Passos da Paixão de Cristo. Organizadas pela Prefeitura Municipal, as atividades acontecem até 6 de dezembro – data oficial do anúncio do título –, com a cooperação da UNESCO e apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Exposições, palestras, debates, festivais, inaugurações de espaços culturais, ações de reconceituação do sítio histórico e programas de educação patrimonial integram a agenda festiva ao longo do ano. A abertura será dia 17 de maio, às 9h, no espaço cultural da Romaria, com o tradicional Festival da Quitanda que, nesta edição, destaca o Patrimônio dos Sabores, representado pelo resgate das receitas de quitandas da culinária mineira.

Um dos pontos altos da comemoração dos 30 anos do título de Patrimônio Mundial será a inauguração da nova sinalização interpretativa do sítio histórico, a partir das 20h, em frente ao Santuário de Bom Jesus de Matosinhos. Congonhas será a primeira cidade brasileira a implantar o projeto, desenvolvido pela Prefeitura municipal e financiado pelo Ministério do Turismo, com base no manual Sinalização do Patrimônio Mundial no Brasil – Orientações Técnicas para Aplicação, que foi criado pelo Iphan em parceria com a UNESCO com o objetivo de promover a visibilidade e valorizar os sítios culturais, naturais e mistos existentes no país.

Após a inauguração da nova sinalização, acontece o lançamento de duas exposições: Patrimônio Mundial, destacando os 19 sítios culturais e naturais brasileiros e, ainda, a mostra “Imagens nos Passos”, com ensaios fotográficos sobre as tradições e os cartões-postais de Congonhas.

Patrimônio Mundial
Em todo mundo, a UNESCO desenvolve o trabalho de identificação, proteção e preservação do patrimônio cultural e natural, considerado especialmente valioso para a humanidade. O objetivo tem sido destacar quais são os patrimônios de fundamental importância para a memória, a identidade e a criatividade dos povos e a riqueza das culturas. No Brasil, foram concedidos 12 títulos de Patrimônio Cultural Mundial (lista na qual está inserida o Santuário de Bom Jesus de Matosinhos de Congonhas), para monumentos, grupos de edifícios ou sítios que tenham um excepcional e universal valor histórico, estético, arqueológico, científico, etnológico ou antropológico.

Outros sete lugares especiais pelas suas formações físicas, biológicas e geológicas excepcionais, habitats de espécies animais e vegetais ameaçadas e áreas que tenham valor científico, de conservação ou estético e universal, foram considerados Patrimônios Naturais Mundiais. Em todo mundo foram reconhecidos 1.007 sítios, sendo que 779 culturais, 197 naturais e 31 mistos, em 161 Estados-partes, num trabalho iniciado em 1972, a partir da Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural, que passou a reconhecer lugares de valor universal excepcional no mundo, e que devem fazer parte do patrimônio comum da humanidade.

Sítios do Patrimônio Cultural Brasileiro:
1980 - A Cidade Histórica de Ouro Preto, Minas Gerais
1982 - O Centro Histórico de Olinda, Pernambuco 
1983 - As Missões Jesuíticas Guarani, Ruínas de São Miguel das Missões, Rio Grande de Sul e Argentina
1985 - O Centro Histórico de Salvador, Bahia 
1985 - O Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo, Minas Gerais 
1987 - O Plano Piloto de Brasília, Distrito Federal 
1991 - O Parque Nacional Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, Piauí
1997 - O Centro Histórico de São Luiz do Maranhão
1999 - Centro Histórico da Cidade de Diamantina, Minas Gerais
2001 - Centro Histórico da Cidade de Goiás
2010 - Praça de São Francisco, na cidade de São Cristóvão, Sergipe
2012 - Rio de Janeiro, paisagens cariocas entre a montanha e o mar

Sítios do Patrimônio Natural Brasileiro:
1986 - Parque Nacional de Iguaçu, em Foz do Iguaçu, Paraná e Argentina
1999 - Mata Atlântica - Reservas do Sudeste, São Paulo e Paraná
1999 - Costa do Descobrimento - Reservas da Mata Atlântica, Bahia e Espírito Santo
2000 - Complexo de Áreas Protegidas da Amazônia Central
2000 - Complexo de Áreas Protegidas do Pantanal, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul
2001 - Áreas protegidas do Cerrado: Chapada dos Veadeiros e Parque Nacional das Emas, Goiás
2001 - Ilhas Atlânticas Brasileiras: Reservas de Fernando de Noronha e Atol das Rocas

Serviço:
Congonhas:
30 anos de Patrimônio Mundial
Abertura das comemorações dia 17 de maio, a partir das 9h, no Espaço Cultural da Romaria, com o Festival da Quitanda. Na mesma data, às 20h, no Santuário de Bom Jesus de Matosinhos, será inaugurada a nova Sinalização Interpretativa do sítio histórico e a abertura das exposições “Patrimônio Mundial do Brasil” e “Imagens nos Passos”. Todas as atividades são gratuitas.

Mais informações: www.congonhas.mg.gov.br
FUNCULT/ Prefeitura de Congonhas
(31) 3731-3056
Jozane Faleiro – jozane@luzcomunicacao.com.br
(31) 88280906/ 35676714

Iphan
comunicacao@iphan.gov.br
Adélia Soares – adelia.soares@iphan.gov.br
Isadora Fonseca – Isadora.fonseca@iphan;gov.br
Mécia Menescal – mecia.menescal@iphan.gov.br
(61) 2024-5476 / 2024-5479
(61) 9381-7543

UNESCO no Brasil
Ana Lúcia Guimarães
(61) 2106 3536, (61) 9966 3287 - a.guimaraes@unesco.org
Demétrio Weber
(61) 2106 3538, d.weber@unesco.org



Saiba Mais
Agenda
Bancos de Dados
Bibliotecas do IPHAN
Blogs do IPHAN
Cadastro Nacional de Negociantes de Antiguidades e Obras de Arte
Concurso IPHAN
Editais e Seleções
Legislação
Links Patrimônio Cultural
Notícias
Perguntas Frequentes
Sistema Nacional do
Patrimônio Cultural
Transparência Pública
Redes Sociais