Principal » Publicações » Cadernos Técnicos
- A +
Cadernos Técnicos
Vol. 1 - Manual de Elaboração de Projetos de Preservação do Patrimônio Cultural

Autores: José Hailon Gomide, Patrícia Reis da Silva e Sylvia Maria Nelo Braga
Publicação: MinC/IPHAN/Programa Monumenta
Edição: 2005 - 1ª edição
Páginas: 76

O Manual integra o conjunto de Cadernos Técnicos do Programa Monumenta, elaborados para consolidar e transmitir os conceitos, normas e preceitos que orientam a preservação do Patrimônio Histórico e Artístico protegido pela União (Decreto Lei nº 25). Foi elaborado para atender, prioritariamente, aos profissionais que trabalhavam nos projetos desenvolvidos pelo Monumenta, envolvendo bens imóveis protegidos por tombamento federal ou situados nas áreas adjacentes, e projetos de intervenção em espaços públicos urbanos integrantes dessas áreas. Apresenta orientações para elaboração dos projetos complementares e a compilação com adaptações de parte das práticas da Secretaria de Administração Pública (Sedap), estabelecidas no Decreto nº 92.100, de 10/12/1985, para possibilitar a sua aplicação nas obras de intervenção do patrimônio edificado.



Vol. 2 - Cadernos de Encargos 

Autor: Equipe Técnica Programa Monumenta
Publicação: IPHAN/Programa Monumenta
Edição: 2005
Páginas: 420

O Caderno de Encargos descreve alguns processos construtivos utilizados em obras de restauro, indicando procedimentos utilizados em várias regiões do Brasil. A evolução desses processos liga-se diretamente à disponibilidade de recursos materiais existentes em seu entorno, e os materiais utilizados determinam a expressão formal das ideias construtivas. Esta publicação apresenta, entre outras informações, os preceitos, especificações e procedimentos que deverão ser rigorosamente obedecidos durante a execução de obras de preservação das edificações que compõem o patrimônio cultural brasileiro.


Vol. 3 - Sítios Históricos e Conjuntos de Monumentos Nacionais

Autor: Equipe Técnica Programa Monumenta
Publicação: MinC/IPHAN/Programa Monumenta
Edição: 2005
Páginas: 456

Contém o dossiê completo e o relatório final do trabalho da comissão que definiu a Lista de Prioridades e as fichas dos Sítios e Conjuntos Históricos Urbanos Nacionais Tombados das Regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste. Essa comissão também reuniu subsídios para o trabalho da comissão especial responsável pela elaboração da Lista de Prioridades de Conservação do Monumenta. Foram definidos os 101 Sítios e Conjuntos Históricos Urbanos Nacionais e coube ao Monumenta a elaboração do estudo de classificação tipológica segundo “narrativas históricas” elaboradas por professores do Departamento de História da Universidade de São Paulo (USP).


Vol. 4 - Sítios Históricos e Conjuntos de Monumentos Nacionais

Autor: Equipe Técnica Programa Monumenta
Publicação: IPHAN/Programa Monumenta
Edição: 2005
Páginas: 392

Contém o dossiê completo e o relatório final do trabalho da comissão que definiu a Lista de Prioridades e as fichas dos Sítios e Conjuntos Históricos Urbanos Nacionais Tombados das Regiões Sul e Sudeste. Essa comissão também reuniu subsídios para o trabalho da comissão especial responsável pela elaboração da Lista de Prioridades de Conservação do Monumenta. Foram definidos os 101 Sítios e Conjuntos Históricos Urbanos Nacionais e coube ao Monumenta a elaboração do estudo de classificação tipológica segundo “narrativas históricas” elaboradas por professores do Departamento de História da Universidade de São Paulo (USP).


Vol. 5 - Análise de Risco de Incêndio em Sítios Históricos

Autor: Antônio Maria Claret Gouveia
Publicação:IPHAN/Programa Monumenta
Edição: 2006
Páginas: 104

As edificações típicas do período colonial brasileiro têm características que as tornam particularmente vulneráveis a incêndios. O método proposto pelo professor Antônio Maria Claret induz à reflexão acerca de novas formas de prevenção de incêndios em monumentos históricos, que envolvam amplos compromissos, das leis e fiscalização do uso do solo à adesão dos moradores e usuários dos sítios históricos.


Vol. 6 - Madeira: uso e conservação

Autor: Armando Luiz Gonzaga
Publicação: IPHAN/Programa Monumenta
Edição: 2006 - 1ª Edição
Páginas: 246

A construção tradicional brasileira tem na madeira o seu material mais nobre, ao contrário do que ocorre na Europa, onde se alcançou o auge da expressividade artística com trabalhos de cantaria. Seja no trabalho de talha e escultura presente nos altares, retábulos, imagens e forração de paredes e tetos, seja no trabalho de marcenaria de portas, soalhos, balaustradas e divisórias treliçadas, seja, finalmente, na carpintaria complexa de armação dos extensos telhados.


Vol. 7 - A Documentação como Ferramenta de Preservação da Memória: Cadastro, Fotografia, Fotogrametria e Arqueologia

Autor: Mário Mendonça de Oliveira
Publicação: IPHAN/Programa Monumenta
Edição: 2008 - 1ª Edição
Páginas: 144

Transmite aos interessados as técnicas tradicionais e avançadas da documentação, além de mostrar sua evolução ao longo do tempo, o que se poderia classificar como a memória do registro da memória. A obra destinada aos que se dedicam à difícil tarefa da conservação e da restauração. Todas as instituições, órgãos e programas que se ocupam do resgate da memória da humanidade precisam difundir o conhecimento dessas técnicas, cujo domínio se torna ainda mais importante, no Brasil, onde parcela significativa dos monumentos e bens de relevante valor histórico, artístico e arquitetônico ainda não se encontra devidamente documentada.


Vol. 8 - Conservação e Intervenção em Argamassas e Revestimentos à Base de Cal

Autora: Maria Isabel Kanan
Publicação: IPHAN/Programa Monumenta
Edição: 2008
Páginas: 172

Esta obra tem como objetivo revisar critérios e avanços técnicos que se têm alcançado na área da conservação de argamassas e revestimentos à base de cal visando melhorar as práticas de intervenção no patrimônio edificado. Há um interesse crescente na investigação de materiais compatíveis à conservação e restauração de edificações históricas, com o objetivo de evitar intervenções radicais, perdas e danos às valiosas estruturas patrimoniais. A cal foi um dos materiais mais importantes na construção e preservação das alvenarias tradicionais ao longo de centenas de anos. O manual é um instrumento inovador e pioneiro que permite aos moradores e usuários de centros históricos conservarem os edifícios que compõem o conjunto urbano protegido. Representa a possibilidade de atuação para além dos conjuntos protegidos e dos espaços públicos, atingindo diretamente as comunidades, melhorando a vida das pessoas que realmente fazem os centros históricos.


Vol. 9 - Mobilidade e acessibilidade urbana em centros históricos

Organização: Sandra Bernardes Ribeiro
Publicação: IPHAN
Edição: 2014
Páginas: 120

A mobilidade e a acessibilidade refletem as múltiplas soluções que as pessoas adotam para se deslocar no espaço da cidade. Pesquisas demonstram que - entre as formas de deslocamento - os percursos a pé são cada vez mais importantes e, em se tratando de cidades históricas, com grande presença de turistas, esse modo de locomoção tem ainda maior destaque. Nos centros históricos brasileiros, são frequentes os percursos íngremes, passeios estreitos, degraus, alguns trajetos inseguros e automóveis disputando espaço com os pedestres.

Este Caderno Técnico destina-se aos gestores do IPHAN, das secretarias estaduais das Cidades e da Cultura, das prefeituras municipais, e aos demais interessados no tema da mobilidade, acessibilidade e qualificação dos espaços urbanos. Aborda tais temas considerando as especificidades dos conjuntos urbanos tombados e de interesse para a preservação, e apresenta conceitos, princípios e diretrizes gerais sobre mobilidade e acessibilidade em centros históricos, além de uma metodologia de elaboração de Planos de Mobilidade e Acessibilidade, entre outras informações.

Saiba Mais
Agenda
Bancos de Dados
Bibliotecas do IPHAN
Blogs do IPHAN
Cadastro Nacional de Negociantes de Antiguidades e Obras de Arte
Concurso IPHAN
Editais e Seleções
Legislação
Links Patrimônio Cultural
Notícias
Perguntas Frequentes
Sistema Nacional do
Patrimônio Cultural
Transparência Pública
Redes Sociais