Caverna do Peruaçu/Parque Veredas do Peruaçu (MG)

O parque, criado pelo Decreto nº 36.070, de 27 de setembro de 1994, abriga um complexo de veredas e lagoas, dentre as quais está a vereda do Peruaçu (que significa gruta grande) que dá nome ao parque e é repleta de palmeiras e buritis de 20 metros de altura ao longo de 37 quilômetros de comprimento.

O rio Peruaçu é um dos poucos afluentes permanentes do rio São Francisco no seu curso do cerrado subtropical úmido e à caatinga do Nordeste do Brasil. Durante milhões de anos, a erosão do rio escavou o túnel original, formando uma enorme galeria. Simultaneamente, águas pluviais, infiltrando-se através de fissuras na parte superior do maciço, formaram grutas e galerias secundárias. A unidade de conservação abriga ainda seis lagoas: Jatobá, dos Patos, do Meio, Junco, Carrasco e do Jacaré.

A vegetação é bem diversificada e encontra-se bem preservada. A área de caatinga possui folhas caducas, resistentes ao déficit hídrico sazonal (o calcário não retém a água na estação seca e as chuvas não são frequentes). Ao longo dos cursos dos rios estão as matas ciliares, com altas árvores e diversidade de flores. Nessa área de mata, as principais espécies presentes são a aroeira do sertão, a braúna e o pau-preto, além de plantas medicinais. Há ainda o cerrado que ocorre na serra com vegetação herbácea com palmeiras e buritis localizados.

A diversidade da vegetação cria um ambiente favorável para diferentes espécies de animais, entre os quais estão lobos-guará, cotias, jaguatirica, ariranhas, antas, mico-estrela e veados-campeiros. Na região também são encontrados onças pardas, tamanduás-bandeira, caititus, tatus, pacas, jacarés, jararacas, cascavéis e sucuris, dentre outros. Importante rota de migração de aves, elas encontram abrigo no parque, onde mais de 250 espécies de pássaros foram registrados.

Cânions, cavernas e galerias do Peruaçu favoreceram a ocupação humana na região há 12 mil anos. Pinturas rupestres são extremamente abundantes por toda a área, em abrigos, em paredes de garganta e entradas de cavernas. Vários estilos coexistiram, permitindo estudar sucessivas influências culturais.

Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin