Tem Jongo na nova Marina da Glória

Jongo do PinheiralDia 26 de agosto, sábado, mais um evento será realizado em comemoração aos 80 anos de criação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A nova Marina da Glória, totalmente revitalizada, receberá, na recém-recuperada esplanada, seu primeiro grande evento público: o lançamento do CD duplo O Jongo do Rio de Janeiro, gravado por onze grupos jongueiros do estado, em mais uma ação promovida em prol do Jongo do Sudeste, registrado como patrimônio cultural imaterial do Brasil em 2005. O projeto é uma parceria do Iphan-RJ e a BR Marinas, administradora da Marina da Glória, com o apoio do Ministério da Cultura, da Prefeitura do Rio e da Riotur.

 O Jongo
Manifestação cultural registrada pelo Iphan, em dezembro de 2005, como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, o jongo é também conhecido como Tambu, Tambor e Caxambu. É uma forma de expressão afro-brasileira que integra percussão de tambores, dança coletiva e práticas de magia. Por seu intermédio, os membros da comunidade atualizam suas crenças nos ancestrais e no poder da palavra. O canto, baseado em provérbios, metáforas e mensagens cifradas, permite aos praticantes relatarem os acontecimentos do cotidiano e reverenciarem os antepassados. Presente em todos os estados do sudeste brasileiro, é uma herança cultural dos grupos bantos da África Meridional que foram trazidos ao Brasil para trabalhar como escravos nas fazendas de café, entre os séculos XVI e XIX. Atualmente, ainda está presente em periferias urbanas e em algumas comunidades rurais da região.

Jongo Caxambu Renascer, de Vassouras (RJ)O CD
Após uma década implementando ações de salvaguarda para o Jongo, a Superintendência do Iphan no Rio de Janeiro viabilizou a gravação de um CD pelas comunidades jongueiras, com as músicas de autoria dessas comunidades. Tais composições, de autoria dos mestres jongueiros e de antigas lideranças desses grupos, são resultado da transmissão dos saberes de seus antepassados. A gravação é mais uma ação de salvaguarda voltada para a preservação desse patrimônio, para que o saber, sua memória cultural, não se perca. O CD, portanto, não tem fins comerciais, tampouco a sua cerimônia de lançamento.

O evento
A esplanada da nova Marina, projeto do Escritório de Paisagismo Burle Marx, tem 36 mil metros quadrados, ciclovia, mirante e grande quantidade de árvores nativas. O evento, com entrada franca, será iniciado às 10 horas e contará, ao longo do dia, com rodas de Jongo e a participação de cerca de 140 jongueiros de Angra dos Reis, Arrozal, Barra do Piraí, Campos, Miracema, Quissamã, Pinheiral, Santo Antônio de Pádua e Vassouras, além do Rio de janeiro. Ainda farão parte das atrações baianas de acarajé, cujo ofício também é patrimônio cultural imaterial do Brasil desde 2005, além de food trucks.

Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan

imprensa.rj@iphan.gov.br
(21 2233-6334 / 99127-7387)
www.iphan.gov.br
www.facebook.com/IphanGovBr | www.twitter.com/IphanGovBr
www.youtube.com/IphanGovBr

Jongo no Sudeste

  • Jongo
    O Jongo no Sudeste é praticado nos quintais das periferias urbanas e em algumas comunidades rurais do sudeste brasileiro. Foi inscrito no Livro das Formas de Expressão em 2005
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_40
    Jongo
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_18
    Jongo
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_09
    Jongo
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_38
    Jongo
  • NAC_Jongo_Apresentação
    Guardam lembranças vívidas das rodas que viam quando crianças, dos cantos que ouviam e das histórias que seus pais e avós contavam sobre o jongo.
  • NAC_Jongo_Dança
    No Brasil, o jongo consolidou-se entre os escravos que trabalhavam nas lavouras de café e cana-de-açúcar, no sudeste brasileiro
  • Jongo
    O Jongo é praticado por descendentes de escravos, que por meio da dança e do batuque, relembram os hábitos ancestrais africanos; envolve tambem a prática da magia
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_37
    Jongo
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_22
    Jongo
  • Tambores do Jongo
    Os tambores artesanais representam a presença da música africana entre os negros que habitavam as periferias dos centros urbanos, uma forma de resistência cultural
  • NAC_Jongo_Tambor
    O Jongo acontece nas festas de santos católicos e divindades afro-brasileiras, nas festas juninas e nas festas do Divino
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_35
    Jongo
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_12
    Jongo
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_31
    Jongo
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_08
    Jongo
  • MG_IMAT_Jongo_do_Sudeste_02
    Jongo
  • Festas_do_Jongo_no_Espírito Santo
    Fincada do Mastro de São Benedito - São Mateus/ES
  • Festas_do_Jongo_no_Espírito Santo
    Desfincada do Mastro - Jongo de São Benedito - São Mateus/ES
  • Festas_do_Jongo_no_Espírito Santo
    Desfincada do Mastro - Jongo Sol e Lua - Anchieta/ES
  • Festas_do_Jongo_no_Espírito Santo
    Festa dos Jongos de São Benedito e São Sebastião - Conceição da Barra/ES
  • Festas_do_Jongo_no_Espírito Santo
    Fincada do Mastro - Jongo Sol e Lua - Anchieta/ES
  • Festas_do_Jongo_no_Espírito Santo
    Fincada do Mastro - Jongo Tambores de São Mateus - Anchieta/ES
  • ES_IMAT_Jongo_festa_sao_cosme
    Apresentação Festa de São Cosme e Damião em Conceição da Barra, 2015. Iphan/ Osmara dos Santos.
  • ES_IMAT_Jongo_caxambu_alegria_de_viver
    Apresentação do grupo Caxambu Alegria de Viver, vargem Alegre, Cachoeiro do Itapemirim – ES, 2015. Iphan/Guilherme Reis.
Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin