Reservas da Mata Atlântica (PR/SP)

O trecho da Mata Atlântica que se inicia na Serra da Juréia (Iguape, São Paulo) e vai até a Ilha do Mel (Paranaguá, Paraná) foi declarado Reserva da Biosfera, pela Unesco, em 1991. Localizada entre as latitudes de 24º 10’ e 25º 40’ Sul e as longitudes 46º 50’ e 48º 44’ Oeste, a área, cuja altitude varia de 0 a 1,4 mil metros, foi declarada Patrimônio Natural Mundial em 1999.

Bioma
A Mata Atlântica, que se estendia por 17 estados brasileiros, correspondia a aproximadamente 1,3 milhão de quilômetros quadrados ou 15% do território nacional. Após 500 anos de ocupação, a área ficou reduzida a 95 mil quilômetros quadrados, ou seja, 7,3% da original.

Logo depois do descobrimento, iniciou-se à exploração intensiva e desordenada da floresta, sendo que o pau-brasil foi o principal alvo de extração e exportação dos exploradores que colonizaram a região. O primeiro contrato comercial para a exploração do pau-brasil foi feito em 1502, o que levou o Brasil a ser conhecido como Terra Brasilis, ligando o nome do país à exploração dessa madeira avermelhada como brasa. Outras madeiras de valor também foram extraídas até a quase extinção: tapinhoã, sucupira, canela, canjarana, jacarandá, araribá, pequi, jenipaparana, peroba, urucurana e vinhático.

No Nordeste brasileiro, a extinção quase total da vegetação deve-se, principalmente, à monocultura da cana-de-açúcar, o que agravou as condições de sobrevivência da população, causando pobreza e êxodo rural.

Já na região Sudeste, a cultura do café foi a principal responsável pela destruição da vegetação nativa, restando uma área muito pequena para a preservação de espécies, algumas em risco devido à poluição ocasionada pela emissão industrial de agentes nocivos.

Na região Sul, a exploração predatória da Mata Atlântica devastou o ecossistema da floresta de Araucárias devido ao valor comercial da madeira extraída dos pinheiros. A paisagem é caracterizada por montanhas isoladas e rios em vales profundos. O relevo é acidentado, com escarpas que, por serem paralelas à costa do oceano Atlântico, recebem o nome de Serra do Mar.

As áreas remanescentes da Mata Atlântica, localizadas nas serras do Mar e da Mantiqueira, caracterizam-se pela vegetação exuberante, com acentuado higrofitismo. As florestas atlânticas é composta por ecossistemas que apresentam árvores com folhas largas e perenes, com exemplares que chegam a atingir 50 metros de altura, e grande diversidade de briófitas, cipós e epífitas, como bromélias e orquídeas.

A fauna endêmica é formada principalmente por anfíbios, mamíferos e aves das mais diversas espécies. A vida é muito intensa no estrato alto, nas copas das árvores, que se tocam formando uma camada contínua. Essa cobertura gera uma região de sombra que, por sua vez, cria o microclima típico da mata, sempre úmido e sombreado. Dessa forma, há uma estratificação da vegetação, criando diferentes habitats para a diversificada fauna.

A biodiversidade da Mata Atlântica é semelhante à da Amazônia, havendo subdivisões do bioma em diversos ecossistemas devido a variações de latitude e altitude. São 250 espécies de mamíferos, 1020 de pássaros, 197 de répteis, 340 de anfíbios e 350 de peixes que integram até hoje o bioma, sem contar os insetos, demais invertebrados, e, ainda, as espécies não descobertas pela ciência que podem habitar os trechos intactos de floresta. Outro número impressionante da fauna da Mata Atlântica refere-se ao endemismo: das 1711 espécies de vertebrados que ali vivem, 700 são endêmicos, sendo 55 de mamíferos, 188 de aves, 60 de répteis, 90 de anfíbios e 133 de peixes. Essas características a tornam o ecossistema bioma de maior biodiversidade na face da Terra.

Por outro lado, em um bioma reduzido a cerca de 7% de sua cobertura original, é inevitável que a diversidade faunística esteja pressionada pelas atividades humanas. De acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Mata Atlântica abriga hoje 383 dos 633 animais ameaçados de extinção no Brasil.

Patrimônio
A inclusão da Mata Atlântica na Reserva da Biosfera pela Unesco tem por objetivo estimular a preservação das florestas primárias e garantir a existência do seu patrimônio étnico e cultural, representado especialmente, pelas comunidades indígenas que habitam o entorno da área protegida. Essas comunidades convivem, há séculos, em plena harmonia com o meio ambiente, servindo-se deste sem destruí-lo.

Seus conhecimentos sobre madeiras e plantas medicinais, técnicas artesanais e manifestações rituais e artísticas, que dependem dos recursos naturais, ficarão ameaçados se estes desaparecerem. Nas proximidades do centro histórico de Iporanga, por exemplo, os habitantes de um quilombo preservam seus usos, costumes e a língua nativa. Além do valor étnico e cultural, a região abriga mais de 50 sítios arqueológicos e a primeira cidade brasileira, São Vicente, fundada por Martim Afonso de Souza, em 1532.

 

Reservas da Mata Atlântica (PR/SP)

  • Mata Atlântica
    Atualmente, a Mata Atlântica está reduzida a apenas 7% do que era há 500 anos. Maior parte dela pode ser encontrada de modo descontínuo, com exceção do trecho que vai de São Paulo ao Paraná
  • NAC_Mata_Atlantica_Reserva
    O mico leão da cara preta é uma das espécies de macacos encontrados na Reserva da Mata Atlântica, no litoral de São Paulo e do Paraná.
  • Aves na Mata Atlântica
    Mais de 1020 espécies de aves podem ser encontradas na região
Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin