Reservas da Mata Atlântica (PR/SP)

A Reserva da Mata Atlântica - Patrimônio Natural Mundial desde 1999 - se estende da Serra da Juréia (SP) até o litoral de Paranaguá (PR).
Mais de 1020 espécies de aves são encontradas na Reserva da Mata Atlântica, além de dezenas de espécies de anfíbios, mamíferos e répteis.
O mico leão da cara preta é uma das espécies de macacos encontrados na Reserva da Mata Atlântica, no litoral de São Paulo e do Paraná.
 

O trecho da Mata Atlântica que se inicia na Serra da Juréia (Iguape, São Paulo) e vai até a Ilha do Mel (Paranaguá, Paraná) foi declarado Reserva da Biosfera, pela Unesco, em 1991. Localizada entre as latitudes de 24º 10’ e 25º 40’ Sul e as longitudes 46º 50’ e 48º 44’ Oeste, a área, cuja altitude varia de 0 a 1,4 mil metros, foi declarada Patrimônio Natural Mundial em 1999. A Mata Atlântica, que se estendia por 17 estados brasileiros, correspondia a aproximadamente 1,3 milhão de quilômetros quadrados ou 15% do território nacional. Após 500 anos de ocupação, a área ficou reduzida a 95 mil quilômetros quadrados, ou seja, 7,3% da original.

Logo depois do descobrimento, iniciou-se à exploração intensiva e desordenada da floresta, sendo que o pau-brasil foi o principal alvo de extração e exportação dos exploradores que colonizaram a região. O primeiro contrato comercial para a exploração do pau-brasil foi feito em 1502, o que levou o Brasil a ser conhecido como Terra Brasilis, ligando o nome do país à exploração dessa madeira avermelhada como brasa. Outras madeiras de valor também foram extraídas até a quase extinção: tapinhoã, sucupira, canela, canjarana, jacarandá, araribá, pequi, jenipaparana, peroba, urucurana e vinhático.

No Nordeste brasileiro, a extinção quase total da vegetação deve-se, principalmente, à monocultura da cana-de-açúcar, o que agravou as condições de sobrevivência da população, causando pobreza e êxodo rural. Na região Sudeste, a cultura do café foi a principal responsável pela destruição da vegetação nativa, restando uma área muito pequena para a preservação de espécies, algumas em risco devido à poluição ocasionada pela emissão industrial de agentes nocivos. 

Na Região Sul, a exploração predatória da Mata Atlântica devastou o ecossistema da Floresta de Araucárias devido ao valor comercial da madeira extraída dos pinheiros. A paisagem é caracterizada por montanhas isoladas e rios em vales profundos. O relevo é acidentado, com escarpas que, por serem paralelas à costa do Oceano Atlântico, recebem o nome de Serra do Mar. As áreas remanescentes da Mata Atlântica, localizadas nas serras do Mar e da Mantiqueira, caracterizam-se pela vegetação exuberante, com acentuado higrofitismo.

Além do valor étnico e cultural, a região abriga mais de 50 sítios arqueológicos e a primeira cidade brasileira, São Vicente, fundada por Martim Afonso de Souza, em 1532. Logo depois da chegada dos portugueses a este continente, iniciou-se à exploração intensiva e desordenada da floresta, sendo que o pau-brasil foi o principal alvo de extração e exportação dos exploradores e colonizadores. O primeiro contrato comercial para a exploração do pau-brasil foi feito em 1502, o que levou o Brasil a ser conhecido como Terra Brasilis, ligando o nome do país à exploração dessa madeira avermelhada como brasa. 

Reservas da Mata Atlântica (PR/SP)

  • Mata Atlântica
    Atualmente, a Mata Atlântica está reduzida a apenas 7% do que era há 500 anos. Maior parte dela pode ser encontrada de modo descontínuo, com exceção do trecho que vai de São Paulo ao Paraná
  • NAC_Mata_Atlantica_Reserva
    O mico leão da cara preta é uma das espécies de macacos encontrados na Reserva da Mata Atlântica, no litoral de São Paulo e do Paraná.
  • Aves na Mata Atlântica
    Mais de 1020 espécies de aves podem ser encontradas na região
Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin