Angola

O Projeto de Cooperação Técnica Fortalecimento da Gestão do Patrimônio Cultural de Angola nasceu da aproximação do governo de Angola. O País pretendia fortalecer as instituições oficiais e possibilitar às novas gerações acesso à memória e às referências culturais, por meio da capacitação em metodologias de identificação do patrimônio cultural. Exemplares arquitetônicos de características luso-brasileiras, fruto deste longo processo de influência mútua entre os países, foram estudados e inventariados.

O acordo, já concluído, foi assinado em setembro de 2008 com o Ministério da Cultura de Angola pelo Ministro Juca Ferreira. No ano seguinte o Iphan realizou oito missões ao Instituto Nacional de Patrimônio Cultural de Angola, e enviou 22 técnicos e dirigentes aquele País. A missão foi a de promover oficinas de capacitação no âmbito do patrimônio cultural que, no total, beneficiaram 84 técnicos angolanos.

Devido ao longo período de guerra, nos últimos 20 anos Angola não dispôs de programas de capacitação para profissionais do patrimônio. As instituições também foram privadas de número suficiente de novos quadros com formação universitária, já que a Academia nacional foi deteriorada nesse período.

Última atualização em março de 2015.

Marco legal

Acordo Básico de Cooperação Econômica, Científica e Técnica entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular de Angola, firmado em 11 de junho de 1980; e promulgado em 05 de outubro de 1990.

Ajuste Complementar ao Acordo Básico de Cooperação Econômica, Científica e Técnica entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular de Angola para a implementação do Projeto “Fortalecimento da Gestão do Patrimônio Cultural de Angola”, firmado em 17 de julho de 2008.

Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin