Goiânia (GO)

Tombado pelo Iphan, em 2003, o conjunto urbano de Goiânia inclui 22 edifícios e monumentos públicos, concentrados em sua maioria no centro da cidade, e o núcleo pioneiro de Campinas, antigo município e atual bairro da capital goiana. Entre essas edificações, destacam-se o Cine Teatro Goiânia e a Torre do Relógio da Av. Goiás, de 1942. O acervo arquitetônico de Goiânia é considerado um dos mais significativos do Brasil.

Goiânia foi planejada e construída para ser a capital de Goiás, por iniciativa do político goiano Pedro Ludovico Teixeira, em consonância com a Marcha para o Oeste – estratégia desenvolvida no final dos anos 1930, pelo governo de Getúlio Vargas, para acelerar o desenvolvimento e incentivar a ocupação do Centro-Oeste. O estilo art déco inspirou os primeiros prédios (erguidos entre as décadas de 1940 e 1950) de Goiânia, a nova capital do Estado de Goiás, projetada pelo urbanista Attílio Corrêa Lima. 

Corrêa Lima criou o projeto da cidade e Armando de Godoy, o do Plano Diretor, inspirado na teoria das cidades-jardim, do urbanista inglês Ebenezer Howard. Inicialmente, foram abertas três avenidas principais (Goiás, Araguaia e Tocantins) que confluem para o Centro, onde foi erguido o Palácio das Esmeraldas, sede do governo estadual. Inaugurada em 1935, Goiânia foi oficializada capital em 1937, embora sua colonização de origem europeia tenha origem em 1735, com as primeiras propostas de mudança da capital da Capitania de Goiás. 

Monumentos e espaços públicos tombados: Estação Ferroviária, Praça Dr. Pedro LudovicoTeixeira, Praça Cívica, Academia Goiana de Letras, Antigo Prédio da Suplan/Emop (atual Procuradoria Geral do Estado, na Praça Cívica), Capela de Nossa Senhora das Graças, Capela de São José, Casa de Cultura Dr. Altamiro de Moura Pacheco, Cemitério Santana, Centro Cultural Oscar Niemeyer, Centro Cultural Gustav Ritter, Coreto da Praça Cívica, fontes luminosas, Fórum e Tribunal de Justiça, residência de Pedro Ludovico Teixeira, obeliscos com luminárias, Palácio das Esmeraldas, Torre do Relógio, e os edifícios do Tribunal Regional Eleitoral, do Colégio Estadual Lyceu de Goiânia, do Grande Hotel, do Teatro de Goiânia e da antiga Escola Técnica de Goiânia, entre outros.

Fontes: Arquivo Noronha Santos/Iphan e IBGE

Compartilhar
Facebook Twitter Email Linkedin